PAVILHÃO DO CANTE

PAVILHÃO DO CANTE, DAS ARTES E DOS OFÍCIOS

O Pavilhão do Cante, das Artes e dos Ofícios, que reúne o ser e o fazer alentejano, volta a estar presente na 34ª Edição da OVIBEJA.

É um espaço de emoções, uma homenagem à terra e a e a todos os que com o seu engenho fazem arte. Uma Mostra de Artesanato e Ofícios Tradicionais, um mote para a partilha de ecos e sonoridades, mas também de ideias e formas renovadas de viver e sentir o Alentejo.

Um local inclusivo. Um ponto de encontro e de reencontros. Sem preconceitos. Da diversidade do campo e das diferentes expressões da cidade, numa paleta de todas as cores.

CANTE ALENTEJANO

A mais forte e identitária expressão musical alentejana corre nas veias deste projeto desde a sua primeira edição. O cante alentejano volta estar presente e a sonoridade das vozes do Grupo Coral Cantadores do Desassossego de Beja vão marcar o tom, abrir o coração e molhar as gargantas dos visitantes, com um espaço de petiscos, vinho, convívio e muito cante. Será informal e marcará presença todos os dias da Feira e contará com colaborações de outros projetos musicais e de Cante entre outros, Os Alentejanos e o Grupo Coral Os Discípulos.

MUSEU VIVO DE ARTES E OFÍCIOS TRADICIONAIS

Artesãos e artistas a trabalhar ao vivo durante o evento, continua a ser uma das apostas para este espaço, com o intuito de valorizar e promover as artes e os ofícios tradicionais e principalmente sensibilizar os visitantes para os sérios desafios que a sua continuidade enfrenta. É um projeto com um forte cariz cultural, um regresso às raízes que cruza tradição e modernidade, memória e futuro.

MOSTRA-TE ALENTEJO

Mostra-te Alentejo

Mostra de Arte Contemporânea de Artistas Bejenses e de Mais Além

Além de cante, das artes e dos ofícios tradicionais, quisemos ir mais longe e integrar uma forma contemporânea de viver esta imensa planície, através da apresentação de uma Mostra de Arte Contemporânea de Artistas Bejenses e Alentejanos, de alma ou coração. A Mostra vai reunir diferentes expressões artísticas, desde ilustração, escultura, cerâmica e outras instalações de dez artistas conceituados que têm alargado as fronteiras criativas do Alentejo: André Lança, António Duro, Heitor Figueiredo, Júlio Roriz, Margarida de Araújo, Paula Estorninho, Paulo Monteiro, Pedro Fernandes, Sofia Almeida e Susa Monteiro.

Exposição VÉRTICE ALENTEJO

25 retratos fotográficos, 25 conversas são os suportes com os quais que se pretende retratar as artes, os ofícios e a vida dos habitantes deste imenso Alentejo.

O desafio é retratar a genuinidade de quem faz o Alentejo de todos os dias, através de uma imagem e de um minuto de conversa. Os retratos individuais são complementados com áudio para dar profundidade e voz à imagem.

A apresentação dos retratos fotográficos é fiel a toda a região, e corresponde à pirâmide demográfica do Alentejo, e dá a conhecer as diferentes gerações de quem aqui vive, cria e trabalha.

Ao ser percentualmente fiel aos números populacionais das várias gerações residentes na Região do Alentejo, identifica-se, subliminarmente, uma problemática que afeta esta região: O êxodo geracional. Um êxodo que acarreta a necessidade urgente da preservação das artes e ofícios que caracterizam o lugar em que habitamos e de criar oportunidades e ambições para as gerações futuras.

O Alentejo da tradição, do cante, do pastoreio e dos ofícios tradicionais é o ponto de partida para conhecer a identidade desta imensa planície. Mas as gerações dos mais novos serão o mais importante VÉRTICE desta pirâmide, pois é nelas que está depositada a continuidade da nossa cultura.

Cada retrato é um VÉRTICE desta pirâmide demográfica, um ponto de ligação entre gerações e um mote, para que, o visitante que veja e ouça os retratos, encontre o Alentejo que conhece e se surpreenda pelo que damos a conhecer.

É uma exposição dinâmica, interativa, marcada por linhas contemporâneas e inspirada em traços rurais e intergeracionais. O fator humano e real tem, neste projeto, toda a centralidade. Cada VÉRTICE é uma pessoa. E algumas das pessoas retratadas na Exposição estarão presentes no Pavilhão a executar o seu ofício ou a sua arte, dando uma componente real às problemáticas, ambições e esperanças retratadas.

Em que Alentejo vivemos hoje? O que será do Alentejo amanhã? Mais do que responder a estas questões pretende-se que esta exposição seja um consciencializador para a urgência das respostas.

A Exposição VÉRTICE ALENTEJO é um projeto conjunto, o trabalho de cada um foi também um vértice essencial para a construção desta exposição – pirâmide.

Francisco Themudo de Oliveira
Desenvolvimento do Conceito, Recolha e Edição de Áudio

Valter Bento
Fotografia

Luísa Castro e Brito
Desenvolvimento do Conceito, Contactos, Seleção de Conteúdos

Mariana Villar Gomes
Design de Interiores

Teresa Villar Gomes
Design Gráfico